Bem Vindo!

Seja bem vindo(a) ao blog oficial da Escola Bíblica Dominical da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Curitiba. Sua participação e interação através deste blog é muito importante para o nosso trabalho. Deus abençoe!

Escola Bíblica Dominical

Escola Bíblica Dominical
Coordenador Geral Ev. Jorge Augusto

Fotos 19º SEMINÁRIO

terça-feira, 26 de julho de 2016

Dinâmica da Lição 05: A Evangelização Urbana e suas Estratégias (Adultos)




Dinâmica: Evangelização urbana e suas estratégias    
                  
Na lição 5, os alunos vão estudar a respeito da necessidade de estabelecermos estratégias para a evangelização urbana. Estratégia é a "parte da arte militar que trata das operações e movimento de um exército", um plano de ação para vencer uma barreira ou inimigo. Estamos em uma guerra espiritual e precisamos de estratégias para vencer o Inimigo.

Objetivo:
 Mostrar aos alunos a necessidade de estabelecer estratégias de evangelismo para alcançar as cidades.

Materiais didáticos:
Folha de papel ofício
caneta,
quadro,
potes com as tiras de papel com as estratégias.

Atividade didática:
Esta dinâmica vai ajudar a trabalhar a introdução da lição e o primeiro tópico. Escreva no quadro uma definição de estratégia ("Parte da arte militar que trata das operações e movimento de um exército"). Em seguida peça, que os alunos formem três grupos. Cada grupo deverá tirar uma tira de papel do pote com a estratégia que terá que ser debatida e explicada pelo grupo. Para concluir, peça a seus alunos que formem um único grupo. Cada grupo terá dez minutos para explicar a estratégia que contida na tira de papel que tirou do pote.
ESTRATÉGIAS
1- A estratégia de Jonas;
2- A estratégia de Pentecostes;
3- A estratégia de Daniel Berg e Gunnar Vingren.

Fonte: Revista Ensinador cristão Nº 67




Dinâmica: Estratégias para os desafios da evangelização urbana

Objetivo:
Encontrar estratégias específicas para os grandes desafios da evangelização urbana.

Material didático:
Caneta
Papel ofício ou A4
O texto sugerido

Atividade didática:
Entregue aos alunos o texto: Os desafios de Evangelizar na realidade urbana, em seguida leiam juntos e reflitam sobre os desafios apresentados no texto (É importante que nesse momento inicial os alunos discutam apenas sobres esses desafios e não sobre as estratégias para resolvê-los). Para isso é importante que seja entregue a cada grupo caneta e papel a fim de que tudo fique registado no papel. Após a discussão divida a turma em grupos de três. Dê-lhes a seguinte tarefa: Os grupos deverão discutir entre si quais as melhores estratégias para conseguirmos vencer esses desafios da realidade urbana atual? Estipule um tempo para os grupos discutirem entre si. Esgotado tempo proposto, solicite a cada grupo que vá a frente para expor e discutir com a turma as estratégias que eles conseguiram registar no papel. Após a apresentação de todos os grupos, recolha os papeis com as estratégias apresentada, e informe à turma que o material irá ser reorganizado em um só arquivo e em seguida será impresso e entregue ao pastor da igreja ou ao líder de evangelização, como proposta apresentada pela classe.

Texto: Os desafios de Evangelizar na realidade urbana

Dentro da chamada modernidade líquida ou Pós-Modernidade, estamos vivendo o fenômeno de uma “mudança de época” dos fatos, envolvendo culturas, costumes, pessoas etc. Nesse contexto social e religioso, o desafio é evangelizar as cidades, as quais, com seus habitantes, vivem realidades dinâmicas: com relação ao deslocamento rápido das pessoas para o trabalho e lazer e os espaços físicos diversificados com relação à moradia. Nesse ambiente urbano os desafios para a evangelização são os prédios, com os muitos apartamentos, os aglomerados nas periferias, os condomínios, com suas leis e exigências, e as típicas favelas urbanas. Aliado a esse fato, hoje, o ser humano moderno e urbano está sendo bombardeado por tantas informações que o deixam indiferente àqueles valores inerentes ao próprio ser humano, como pessoa constitutiva dessa realidade social e religiosa. Esse novo ser humano vive no isolamento, apesar de estar no meio de tanta gente, cultivando um relativismo religioso; sem compromisso com Deus, com a religião, com sua fé e com o social. Este é o grande desafio para a religião e para a evangelização nos múltiplos ambientes das grandes cidades. Na questão urbana, notamos ainda as grandes massas que se formam nessas megalópoles, nas quais as pessoas perdem sua identidade e os valores humanos, parte importante de sua cidadania social e religiosa. Por isso, no processo de evangelização, é preciso confiar na ação do Espírito Santo e aplicar estratégias diferenciadas.
Fonte do texto: http://www.a12.com

Desejamos que esta aula seja portadora de grandes frutos para vida de seus alunos!

Por Roberto José

http://www.ensinadorcristao.com.br 




Dinâmica: Evangelização urbana

Objetivo: Introduzir o estudo sobre “Evangelização urbana”.

Material:
04 cartolinas
04 pincéis atômicos

Procedimento:
- Inicialmente procure conceituar o que é “Evangelização urbana”, partindo daquilo que os alunos já conhecem.
- Depois reflitam sobre as características positivas e negativas da região urbana para a evangelização.
- Dividam a turma em 04 grupos e peçam para cada grupo apresente 02 estratégias de evangelização urbana que já conhecem e 02 sugestões novas.
Entreguem para cada grupo 01 cartolina e 01 pincel atômico para que escrevam as respostas.
- Depois cada grupo deve apresentar suas sugestões.
- Em seguida, cada aluno deve escolher 01 estratégia de evangelização para realizar durante a semana.
No domingo seguinte, eles devem relatar como aconteceu o evangelismo.

Por Sulamita Macedo.

terça-feira, 19 de julho de 2016

Dinâmica da Lição 04: O Trabalho e Atributos do Ganhador de Almas (Adultos)


Dinâmica: Preparados para evangelizar

Na quarta lição do trimestre, vamos estudar a respeito do evangelista. A Palavra de Deus nos ensina que o Espírito Santo confere o dom de evangelista a algumas pessoas (Ef 4.11). Este é um dom ministerial. Todavia, de maneira geral, todos os crentes têm a incumbência de pregar

Objetivo:
Ressaltar a importância de estarmos aptos para fazer a obra de Deus.

Material didático:
Caixa de fósforo
Iodo
1/3 do copo com água normal
1/3 do copo com água sanitária

Atividade didática:
Peça que os alunos formem um círculo. Em seguida apresente os dois copos: um com água normal e o outro com água sanitária (Deixe que eles pensem que os dois copos tem água normal). Diga que um copo representa Deus (escolha o copo com água sanitária) e o outro representa os crentes. Explique que para se fazer a obra de Deus é preciso que o meu copo esteja na mesma cor que o de Deus. Logo após, diga que você vai passar a caixa de fósforos e cada um deverá retirar um fósforo e acendê-lo. Enquanto o fósforo estiver aceso, a pessoa deverá dizer o que pode manchar a minha água fazendo com que eu não esteja apto para fazer a obra de Deus. A pessoa só poderá parar de falar quando o fósforo apagar. Agora coloque alguns pingos de iodo na água normal e diga o cristão que deseja fazer a obra de Deus, no entanto tem uma vida reprovável é igual a água que estava limpa, no entanto decidiu se manchar com os pecados desse mundo. Neste momento pergunte: E agora o que ele deve fazer? Ouça as respostas dos seus alunos atentamente. Em seguida, coloque a água sanitária, que representa Deus, junto com a água que representa os crentes, unindo as duas águas. A água voltará a ficar clara mais uma vez. Leia neste momento  1 João 1.9 e Provérbios 28.13. Conclua enfatizando que,  após o perdão divino o cristão estará apto mais uma vez para fazer a obra de Deus

Por Roberto José

http://www.ensinadorcristao.com.br



Dinâmica: Procura-se
Objetivos:
 Introduzir o estudo sobre as características do evangelista.
Refletir sobre a importância do evangelista para a proclamação do evangelho.

Material:
¼ da folha de papel ofício, contendo 01 das 11 características abaixo:
Amor as almas
Conhecimento da Palavra de Deus
Preparado
Mansidão
Temor
Oração
Jejum
Comunhão com Deus
Exemplo de caráter cristão
Disponibilidade
Conhecimento de métodos diferenciados para abordar o pecador
Procedimento:
- Entreguem para os alunos ¼ da folha de papel ofício, contendo as 11 características abaixo:
Amor as almas
Conhecimento da Palavra de Deus
Preparado
Mansidão
Temor
Oração
Jejum
Comunhão com Deus
Exemplo de caráter cristão
Disponibilidade
Conhecimento de métodos diferenciados para abordar o pecador
- Falem: Vocês podem ler o que consta nos papéis que receberam.
- À medida que cada aluno for lendo, vocês devem dizer:
Procura-se alguém com esta característica.
- Perguntem:
Que tipo de pessoa possui estas características?
Aguardem as respostas.
Espera-se que os alunos falem que é de um evangelizador ou um evangelista.
- Perguntem: Vocês conhecem alguém com estas características?
Aguardem as respostas.
- Depois falem da importância do evangelista para a proclamação do evangelho.
Por Sulamita Macedo.
Texto Pedagógico
Aprimoramento do professor

            Ensinar na Escola Bíblica Dominical requer do professor  aprimoramento constante. De acordo com o dicionário, “aprimorar” é melhorar a qualidade, aperfeiçoar. Para isto, é necessário vontade, esforço e administração do tempo.
            A Palavra de Deus adverte: “Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade”(II Timóteo 2:15).
            Duas palavras chamam a atenção neste versículo: “procura” e “aprovado”. Procurar por algo, requer esforço e tempo. O professor da EBD deve destinar tempo para buscar subsídios para que se aprimore e possa ser julgado como obreiro aprovado, por Aquele que lhe vocacionou. Ser aprovado está relacionado a ter passado por uma análise e ter sido considerado aceitável, ter obtido aprovação.
            Outro ponto para o aprimoramento é a dedicação que o docente deve ter para que ensine de forma que a aprendizagem seja mais significativa para os alunos.
            Observe estes alguns exemplos de personagens bíblicos que passaram por aprimoramento na sua função ou profissão:
            Os sidônios são mencionados como aqueles que sabiam cortar madeira de forma que eram reconhecidos por este feito:
             “Dá ordem, pois, agora, que do Líbano me cortem cedros, e os meus servos estarão com os teus servos, e eu te darei o salário dos teus servos, conforme a tudo o que disseres; porque bem sabes tu que entre nós ninguém há que saiba cortar a madeira como os sidônios”(I Reis 5:6 – grifo nosso).
            O professor de Escola Dominical pode também ser reconhecido por seus alunos como um excelente professor, que sabe ensinar como ninguém, porque busca o aprimoramento.
            Setecentos homens canhotos, filhos de Benjamim, escolhidos, se destacaram por atirar com uma funda em um cabelo e não erravam:
“E contaram-se naquele dia os filhos de Benjamim, das cidades, vinte e seis mil homens que tiravam a espada, afora os moradores de Gibeá, de que se contaram setecentos homens escolhidos. Entre todo este povo havia setecentos homens escolhidos, canhotos, os quais atiravam com a funda uma pedra em um cabelo, e não erravam”(Juízes 20:15,16 – grifo nosso).
Treinar os escolhidos, os chamados para obra do ensino cristão, trará grandes resultados para o crescimento da obra de Deus. Quando isto acontece a probabilidade de acontecer ações inadequadas, por parte do professor,  são pequenas.
Hirão, da cidade de Tiro, foi convidado pelo rei Salomão para realizar uma obra em cobre, pelo fato de ter sabedoria, entendimento e ciência neste ramo:
“E enviou o rei Salomão um mensageiro e mandou trazer a Hirão de Tiro. Era ele filho de uma mulher viúva, da tribo de Naftali, e fora seu pai um homem de Tiro, que trabalhava em cobre; e era cheio de sabedoria, e de entendimento, e de ciência para fazer toda a obra de cobre; este veio ao rei Salomão, e fez toda a sua obra”(I Reis 7:13,14 – grifo nosso).
Observa-se que Hirão destacou-se por saber fazer com conhecimento e prática, que certamente aprendeu com seu pai. É, pois, um exemplo para os professores da EBD, que devem buscar informação, transformá-lo em conhecimento e transmiti-lo com sabedoria. A prática docente requer esta atitude.
Bezalel foi escolhido, chamado por Deus, cheio do Espírito de Deus, de sabedoria, de entendimento, de ciência para elaborar projetos, e trabalhar em ouro, em prata, e em cobre, e em lapidar pedras para engastar, e em entalhes de madeira:
“Depois falou o SENHOR a Moisés, dizendo: Eis que eu tenho chamado por nome a Bezalel, o filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá, e o enchi do Espírito de Deus, de sabedoria, e de entendimento, e de ciência, em todo o lavor, para elaborar projetos, e trabalhar em ouro, em prata, e em cobre, e em lapidar pedras para engastar, e em entalhes de madeira, para trabalhar em todo o lavor. E eis que eu tenho posto com ele a Aoliabe, o filho de Aisamaque, da tribo de Dã, e tenho dado sabedoria ao coração de todos aqueles que são hábeis, para que façam tudo o que te tenho ordenado”(Êxodo 31:1-6).
O Espírito Santo de Deus também pode capacitar os professores da EBD no ensino da Palavra, enchendo-lhes de sabedoria e entendimento para ministrar de forma adequada.
Apolo é mencionado como aquele que era eloquente, poderoso nas escrituras, fervoroso de espírito, falava e ensinava de forma cuidadosa:
“E chegou a Éfeso um certo judeu chamado Apolo, natural de Alexandria, homem eloquente e poderoso nas Escrituras. Este era instruído no caminho do Senhor e, fervoroso de espírito, falava e ensinava diligentemente as coisas do Senhor, conhecendo somente o batismo de João”(Atos 18:24,25).
Ensinar de forma diligente deve ser algo que todo professor deve buscar, para que seja apto na função que exerce, com dedicação para o crescimento do reino de Deus, não correndo o risco de ser considerado desqualificado por Deus. Vale ainda acrescentar que o personagem bíblico Apolo traz um exemplo espiritual para o professor, pois ele era fervoroso de espírito, instruído no caminho do Senhor.
Aprimorar-se requer do professor preparo espiritual, teológico, secular e pedagógico. Que tal espelhar-se nos exemplos dos personagens bíblicos citados?


Por Sulamita Macedo.

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Dinâmica da Lição 03: Igreja, Agência Evangelizadora (Adultos)



Dinâmica: Pão para quem tem fome

Objetivo:
Saber que a humanidade está faminta de Deus, e só a Igreja pode saciar a sua fome;
Compreender que evangelizar deve ser a tarefa prioritária da Igreja.

Material didático:
Uma sacola com vários pães

Atividade didática:
Divida a turma em três grupos. Distribua 1 pão para cada membro do primeiro e do segundo grupo. O terceiro grupo deve ficar sem pão. Oriente os grupos da seguinte forma: O primeiro grupo será o grupo dos comilões, pois eles vão comer os seus pães sozinhos sem dividir com o terceiro grupo que não tem pães. O segundo grupo será o grupo dos compartilhadores, pois eles ao receber o pão irão dividir com o terceiro grupo que é o grupo dos famintos.

Aplicação:
Explique que o pão representa Jesus, o pão vivo que desceu do céu. Esse pão nós recebemos devemos oferecer às pessoas através da pregação do evangelho.
O grupo que come o pão sem reparti-lo com ninguém são as pessoas da igreja que já aceitaram Jesus como Salvador, mas não evangelizam, não levam as “boas novas” da salvação.
O segundo grupo que que reparte o seu pão com quem não tem são as pessoas da igreja que já aceitaram Jesus como Salvador, e que evangelizam, levam as “boas novas” da salvação, saciando a fome espiritual dos famintos por Jesus.
As pessoas que não tem pão, representando as pessoas que não conhecem o evangelho de Cristo e que precisam ser alimentadas com o pão espiritual do Evangelho.

Encerre mostrando que Jesus veio ao mundo a fim de suprir as mais profundas necessidades espirituais da humanidade, especialmente a salvação. Como pregadores, fomos incumbidos de anunciar o evangelho. Assim, carregando no estômago a própria palavra de Deus, com a vida marcada pela convocação para sermos dele e degustando o sabor do pão que restaura a vida, Jesus nos chama para si e nos envia ao mundo para distribuirmos o pão espiritual a um mundo faminto.
Professor, antes de dar esta aula pesquise com muito afinco todos os pontos abordados em seu Plano de Aula, pois não adianta falar só de achismo, ou porque conheceu este Blog e acha suficiente para dar aula. Entenda que eu não conheço a realidade social, psicológica, física e espiritual de seus alunos, por isso, tente chegar no âmago das dúvidas de seus alunos, não os faça de meros espectadores de um "show" de conhecimento, pois isso não será suficiente, o conteúdo precisa de aplicabilidade para a situação de vida de seus alunos e isso é o mais importante. Deguste à vontade o conhecimento, mas não ache que irá inculcá-lo de uma hora pra outra nos seus alunos, por isso procure ser criativo na exposição do assunto.

Desejamos que esta aula seja portadora de grandes frutos para vida de seus alunos!

Por: Roberto José
http://www.ensinadorcristao.com.br 

terça-feira, 5 de julho de 2016

Dinâmica da Lição 02: Deus, o Primeiro Evangelista (Adultos)

Dinâmica: Deus, evangelista por amor

Um dos atributos de Deus é o amor. Seu amor pela humanidade fez com que Ele se tornasse o primeiro evangelista. O Senhor foi à busca do homem perdido e fez a primeira promessa de redenção já no livro de Gênesis (Gn 3.15). Deus também fez do seu único Filho um missionário.
Objetivo:
Mostrar que o amor que o crente tem em seu coração procede tão somente de Deus. Esse amor precisa ser demonstrado em atitudes.
Material didático:
Tiras de papel ofício e caneta.
Atividade didática:
Converse com os alunos a respeito do amor de Deus. Ele nos amou tanto que enviou o seu Filho para morrerem nosso lugar(Jo 3.16). O amor de Deus é incondicional. Precisamos amar as pessoas como Ele nos amou. Quem já experimentou do amor de Deus tem um coração amoroso e missionário. Em seguida, distribua as tiras de papel ofício e a caneta. Peça que os alunos formem duplas. Depois, cada aluno deverá escrever, na tira de papel, uma tarefa para que seu irmão cumpra (cantar um hino, falar um versículo, fazer uma careta etc). Após todos terminarem, diga que eles serão surpreendidos. É que cada um vai ler o que escreveu para o outro, só que quem escreveu é que vai executar a tarefa que designou para o outro. Mostre que o amor de Deus em nossos corações nos leva a desejar ao próximo aquilo que queremos para nós. Se desejamos que toda nossa família seja salva e nos esforçamos para isso, precisamos também nos esforçar para que outras famílias conheçam o amor de Deus e sejam alcançadas pela Sua graça.
Fonte: Revista Ensinador Cristão
Adaptado por Roberto José
Dinâmica: A Evangelização do mundo
A mensagem do evangelho deve ir a todas as extremidades da Terra, porque a Salvação que Cristo consumou no calvário é para toda a humanidade. A classe não pode negligenciar sua missão principal: alcançar o homem com a mensagem do Evangelho.
Objetivo:
Estimular uma reflexão sobre a necessidade de cumprir a missão evangelística iniciada por Deus.
Material didático:
Uma espiga de milho madura
copos descartáveis.
Atividade didática:
Faça a leitura em classe de Marcos 16.15-20 e, em seguida, explique que A missão da igreja é espiritual: Propagar a mensagem de salvação do evangelho. Distribua copos descartáveis para toda a turma e apresente uma espiga de milho madura com casca. Explique que o milho só existe porque um grão foi semeado, produzindo assim o fruto. Em seguida, diga que nós também iremos semear “os grãos” (a Palavra de Deus) durante a semana no coração dos não-evangélicos. Então, peça que cada aluno retire grãos de milho de espiga madura, coloque-os dentro do copo descartável que recebeu e passe a espiga adiante. Os alunos só deixaram de tirar os grãos quando não tiver mais nenhum no sabugo. Depois disso, peçam que todos contem os números de grãos que conseguiram colocar no copo. Encerre dizendo que os alunos deverão evangelizar durante a semana o número de pessoas representado através dos grãos que ficaram nos seus copos. Pode ser por meio de folhetos, telefonemas, e-mails, redes sociais, de casa em casa. O importante é que se esforcem para atingir o número de sementes do copo. Durante os três domingos seguintes, separe alguns minutos para cada aluno relatar as bênçãos recebidas e expor o seu relatório evangelístico. Cremos que muitas almas poderão chegar-se a Cristo através da semeadura de cada aluno.
Professor, antes de dar esta aula pesquise com muito afinco todos os pontos abordados em seu Plano de Aula, pois não adianta falar só de achismo, ou porque conheceu este Blog e acha suficiente para dar aula. Entenda que eu não conheço a realidade social, psicológica, física e espiritual de seus alunos, por isso, tente chegar no âmago das dúvidas de seus alunos, não os faça de meros espectadores de um "show" de conhecimento, pois isso não será suficiente, o conteúdo precisa de aplicabilidade para a situação de vida de seus alunos e isso é o mais importante. Deguste à vontade o conhecimento, mas não ache que irá inculcá-lo de uma hora pra outra nos seus alunos, por isso procure ser criativo na exposição do assunto.
Desejamos que esta aula seja portadora de grandes frutos para vida de seus alunos!
Por Roberto José
http://www.ensinadorcristao.com.br


Dinâmica: O alcance da bênção de Abraão
Objetivo: Refletir sobre o alcance da bênção de Abraão.

Material:
Papel pequeno e colorido para cada aluno com a seguinte frase: “...em ti serão benditas todas as famílias da terra”(Gn 12.3).
Procedimento:
- Leiam Gênesis 12:1-3:
“Ora, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei.
E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção.
E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra”.
- Falem: Acabamos de ler que através de Abraão todas as famílias da terra seriam abençoadas, inclusive a minha e a sua família. Mas de que forma?
Através da proclamação do evangelho, que nos alcançou! Isto já foi explicado na lição.
- Entreguem para cada aluno um papel pequeno com a seguinte frase: “...em ti serão benditas todas as famílias da terra”(Gn 12.3).
- Agora, oportunizem aos alunos um momento para que eles contem como foram alcançados pelo evangelho e também sua família. Para tanto, forneçam as seguintes orientações:
O aluno ler o conteúdo do papel que recebeu e conta de forma bem objetiva como foi alcançado pelo evangelho como também sua família.
E assim até que todos que desejem falar sobre a bênção da salvação.
Por Sulamita Macedo.

Texto Pedagógico

Aprimoramento do professor

            Ensinar na Escola Bíblica Dominical requer do professor  aprimoramento constante. De acordo com o dicionário, “aprimorar” é melhorar a qualidade, aperfeiçoar. Para isto, é necessário vontade, esforço e administração do tempo.
            A Palavra de Deus adverte: “Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade”(II Timóteo 2:15).
            Duas palavras chamam a atenção neste versículo: “procura” e “aprovado”. Procurar por algo, requer esforço e tempo. O professor da EBD deve destinar tempo para buscar subsídios para que se aprimore e possa ser julgado como obreiro aprovado, por Aquele que lhe vocacionou. Ser aprovado está relacionado a ter passado por uma análise e ter sido considerado aceitável, ter obtido aprovação.
            Outro ponto para o aprimoramento é a dedicação que o docente deve ter para que ensine de forma que a aprendizagem seja mais significativa para os alunos.

            Observe estes alguns exemplos de personagens bíblicos que passaram por aprimoramento na sua função ou profissão:
            Os sidônios são mencionados como aqueles que sabiam cortar madeira de forma que eram reconhecidos por este feito:
             “Dá ordem, pois, agora, que do Líbano me cortem cedros, e os meus servos estarão com os teus servos, e eu te darei o salário dos teus servos, conforme a tudo o que disseres; porque bem sabes tu que entre nós ninguém há que saiba cortar a madeira como os sidônios”(I Reis 5:6 – grifo nosso).
            O professor de Escola Dominical pode também ser reconhecido por seus alunos como um excelente professor, que sabe ensinar como ninguém, porque busca o aprimoramento.
            Setecentos homens canhotos, filhos de Benjamim, escolhidos, se destacaram por atirar com uma funda em um cabelo e não erravam:
“E contaram-se naquele dia os filhos de Benjamim, das cidades, vinte e seis mil homens que tiravam a espada, afora os moradores de Gibeá, de que se contaram setecentos homens escolhidos. Entre todo este povo havia setecentos homens escolhidos, canhotos, os quais atiravam com a funda uma pedra em um cabelo, e não erravam”(Juízes 20:15,16 – grifo nosso).
Treinar os escolhidos, os chamados para obra do ensino cristão, trará grandes resultados para o crescimento da obra de Deus. Quando isto acontece a probabilidade de acontecer ações inadequadas, por parte do professor,  são pequenas.
Hirão, da cidade de Tiro, foi convidado pelo rei Salomão para realizar uma obra em cobre, pelo fato de ter sabedoria, entendimento e ciência neste ramo:
“E enviou o rei Salomão um mensageiro e mandou trazer a Hirão de Tiro. Era ele filho de uma mulher viúva, da tribo de Naftali, e fora seu pai um homem de Tiro, que trabalhava em cobre; e era cheio de sabedoria, e de entendimento, e de ciência para fazer toda a obra de cobre; este veio ao rei Salomão, e fez toda a sua obra”(I Reis 7:13,14 – grifo nosso).
Observa-se que Hirão destacou-se por saber fazer com conhecimento e prática, que certamente aprendeu com seu pai. É, pois, um exemplo para os professores da EBD, que devem buscar informação, transformá-lo em conhecimento e transmiti-lo com sabedoria. A prática docente requer esta atitude.
Bezalel foi escolhido, chamado por Deus, cheio do Espírito de Deus, de sabedoria, de entendimento, de ciência para elaborar projetos, e trabalhar em ouro, em prata, e em cobre, e em lapidar pedras para engastar, e em entalhes de madeira:
“Depois falou o SENHOR a Moisés, dizendo: Eis que eu tenho chamado por nome a Bezalel, o filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá, e o enchi do Espírito de Deus, de sabedoria, e de entendimento, e de ciência, em todo o lavor, para elaborar projetos, e trabalhar em ouro, em prata, e em cobre, e em lapidar pedras para engastar, e em entalhes de madeira, para trabalhar em todo o lavor. E eis que eu tenho posto com ele a Aoliabe, o filho de Aisamaque, da tribo de Dã, e tenho dado sabedoria ao coração de todos aqueles que são hábeis, para que façam tudo o que te tenho ordenado”(Êxodo 31:1-6).
O Espírito Santo de Deus também pode capacitar os professores da EBD no ensino da Palavra, enchendo-lhes de sabedoria e entendimento para ministrar de forma adequada.
Apolo é mencionado como aquele que era eloquente, poderoso nas escrituras, fervoroso de espírito, falava e ensinava de forma cuidadosa:
“E chegou a Éfeso um certo judeu chamado Apolo, natural de Alexandria, homem eloquente e poderoso nas Escrituras. Este era instruído no caminho do Senhor e, fervoroso de espírito, falava e ensinava diligentemente as coisas do Senhor, conhecendo somente o batismo de João”(Atos 18:24,25).
Ensinar de forma diligente deve ser algo que todo professor deve buscar, para que seja apto na função que exerce, com dedicação para o crescimento do reino de Deus, não correndo o risco de ser considerado desqualificado por Deus. Vale ainda acrescentar que o personagem bíblico Apolo traz um exemplo espiritual para o professor, pois ele era fervoroso de espírito, instruído no caminho do Senhor.
Aprimorar-se requer do professor preparo espiritual, teológico, secular e pedagógico. Que tal espelhar-se nos exemplos dos personagens bíblicos citados?

Por Sulamita Macedo.