Bem Vindo!

Seja bem vindo(a) ao blog oficial da Escola Bíblica Dominical da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Curitiba. Sua participação e interação através deste blog é muito importante para o nosso trabalho. Deus abençoe!

Escola Bíblica Dominical

Escola Bíblica Dominical
Coordenador Geral Ev. Jorge Augusto

Fotos 19º SEMINÁRIO

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Lição 06: Paciência: Evitando as Dissensões (Adultos)

Dinâmica: Perdendo a Cabeça

Objetivo: Refletir sobre o exercício da mansidão e paciência.

Material: 01 bexiga para cada aluno, 01 palito de dentes.

Procedimento:
- Distribuam uma 01 bexiga vazia para cada aluno.
- Em seguida, mostrem uma bexiga cheia de ar e falem sobre a falta de paciência, mansidão que muitas pessoas apresentam. Vocês explodem com facilidade? (neste momento, estourem a bexiga com um palito).
- Depois, orientem para que cada pessoa fale sobre algo que o irrita, que faz perder cabeça de forma rápida e à medida que falarem eles devem encher a bexiga.
- Depois que todos falarem, perguntem: O que fazer para que alguém não exploda?
Aguardem as respostas.
- Depois, enfatizem sobre a importância da mansidão, da paciência diante de situações que podem provocar irritação.
- Peçam para que os alunos deem um nó na bexiga e escrevam sobre ela a palavra mansidão, paciência.
Por Sulamita Macedo.
Texto de Reflexão
A Loja de Deus

Um dia, um homem entrou numa loja e, estupefato, viu um anjo atrás do balcão. Maravilhado com aquela visão, perguntou:
- Anjo, o que vendes?
O anjo respondeu:
 - Todos os dons de Deus.
O homem voltou a perguntar:
 - E custam caro?
E a resposta do anjo foi:
- Não. É de graça... é só escolher.
O homem, todo feliz, olhou para toda a loja e viu jarras de vidro de fé, pacotes de sabedoria, caixas de felicidade... Não estava acreditando que poderia adquirir tudo aquilo.

- Por favor, embrulhe para mim, muito amor de Deus, bastante felicidade, abundante perdão d'Ele, amor ao próximo, paciência, tolerância...
O anjo anotou o pedido e foi separar os produtos. Ao retornar, entregou-lhe vários pacotinhos, que cabiam na palma da mão do homem. Espantado, ele indagou:
- Como pode você me dar apenas esses pacotinhos?! Eu quero levar uma grande quantidade dos dons de Deus.
O anjo respondeu:
- Querido amigo, na loja de Deus nós não vendemos frutos. Apenas sementes.
Autoria do texto desconhecida.
Texto Pedagógico

Escolhendo os professores para a Escola Bíblica Dominical

Geralmente, os professores da Escola Bíblica Dominical(EBD) são escolhidos por se destacarem na igreja quanto ao exemplo na conduta cristã e no conhecimento bíblico.
Estes dois critérios citados acima são muito importantes, mas outros itens precisam ser analisados para a escolha de professores para a EBD. O conjunto de todos eles, ao serem observados pela superintendência ou diretoria, revela cuidado e atenção para uma boa escolha dos docentes para exercitar o ensino da Palavra de Deus na maior escola bíblica do mundo.

Os critérios que devem ser observados são necessários para os que serão escolhidos e também para aqueles que já estão na atividade docente na educação cristã, a saber:
- Ter convicção de sua salvação: O professor deve ter certeza de sua salvação através de Jesus, apresentando evidências de uma nova criatura, com uma vida cristã ativa e frutífera, conforme João 15.5: “Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto”.
- Ser crente fiel: A fidelidade a Deus e a Sua palavra deve ser de extremo cuidado no cotidiano do professor e também quando está ensinando. O cuidado com a interpretação bíblica deve ser um fator a ser considerado, pois ensinar o conteúdo sem desvios é algo que deve ser buscado com afinco, para não emitir erros doutrinários.
- Ter chamado para o ensino: O professor deve ser chamado para o ensino. Ensinar não é uma tarefa fácil de realizar, mas quando há o chamado, mesmo diante das dificuldades que podem levá-lo a desanimar, ele vai prosseguir. “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo”(Efésios 4:11,12).
- Ser dedicado: Um dos fatores importantíssimos para a atividade docente na EBD é a dedicação quanto ao estudo das lições e ao atendimento aos alunos nas suas dúvidas e perguntas, como também no relacionamento interpessoal.  A Palavra de Deus nos adverte: “...se é ensinar, haja dedicação ao ensino”(Romanos 12:7).
- Gostar de aprender: O professor deve estar em constante busca de informação para melhorar seu aprendizado. Ele deve ser estudioso da Palavra de Deus, da lição bíblica, buscando fontes diferentes para aprimorar o conhecimento que vai trabalhar com os alunos na classe. Dessa forma, vai se sentir confiante para ensinar e  ter capacidade de argumentação diante de alguma pergunta.
- Estar preparado: A preparação do professor abrange vários aspectos, a saber: a nível espiritual, teológico, pedagógico e secular. Ter uma vida de oração e comunhão, conhecimento bíblico, informações de como planejar uma aula, com metodologia diversificada e ter conhecimento secular são itens que não podem faltar na vida daquele professor que deseja alcançar a excelência no ensino. A Bíblia orienta: “Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade”(II Timóteo 2:15).
- Ser Sociável: O professor da EBD deve ser comunicativo, pois como poderá ensinar se ele ficar fechado em si mesmo, sem conversar com seus alunos e interagir com os demais colegas? O professor deve ter habilidade para escutar o aluno nos seus questionamentos, tirando suas dúvidas e nunca desprezar o que o aluno fala. A sociabilidade é um fator que deve ser observado, pois há professores que não se comunicam com seus alunos, consideram que estão a frente de uma sala apenas para ensinar sem ter qualquer vínculo com eles.
- Ter criatividade: O professor da EBD precisa ser criativo para poder ensinar de forma que os alunos aprendam mesmo diante da estrutura na qual as Escolas Dominicais se realizam. Daí, a importância da iniciativa por parte do professor para buscar alternativas que possibilitem melhoria do processo de ensino e aprendizagem, utilizando métodos e recursos didáticos variados para que haja melhor retenção do que está ensinado.
O professor não nasce pronto, isto é, ele se faz, se refaz, se inventa e reinventa no caminho que está trilhando. Ao ser chamado para o ensino na EBD, ele precisa ser orientado como pode proceder diante da classe, da escolha da metodologia que vai utilizar nas aulas e da importância do domínio dos conteúdos.
Afirmo isto para que os critérios adotados para a convocação do novo professor não tenham apenas o foco na qualidade espiritual, mas que ele seja formado no aspecto pedagógico e no aspecto integrador, mostrando-lhe a importância deles no exercício da atividade docente. Para que assim ocorra, a igreja deve investir na capacitação dos mestres, oportunizando momentos de orientação para que haja melhor condução do ensino na Escola Bíblica Dominical.


Por Sulamita Macedo.

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Dinâmica da Lição 04: Alegria, o Fruto do Espírito; Inveja, hábito da velha natureza (Adultos)


Dinâmica: A Fonte da Alegria

Objetivo: Estudar sobre a alegria cuja fonte está em Deus.

Material:
02 bexigas

Procedimento:
- Dividam a turma em 03 grupos, distribuam para cada grupo uma das perguntas abaixo:
Em que momentos vocês se sentem alegres?
O que a alegria proporciona?
O que pode servir de impedimentos para sentir alegria?
 Estipulem um tempo de 05 minutos para os grupos.
- Depois, organizem a turma em círculo e solicitem que cada grupo leia a pergunta e apresentem as respostas de forma objetiva.
- Falem: Existe uma alegria ocasionada por situações diversas e há outra diferente, que é aquela proporcionada pelo Espírito Santo, que permanece mesmo em situações difíceis.
- Para exemplificar, utilizem duas bexigas(bolas de aniversário).
Encham uma e vão soltando o ar devagar, enquanto vocês falam:
Há pessoas que ficam alegres, isto é, com a bola cheia, mas o que sentem é algo passageiro(neste momento a bola já deve estar vazia) e depois estão assim com a bola murcha.
Encham outra bola e deem um nó e falem: Há pessoas que estão sempre alegres, em qualquer circunstância (neste momento, brinquem com a bola, jogando para cima e depois batam nela, demonstrando situações de alegria e tristeza).
- Para concluir, falem: Aqui nesta demonstração há dois tipos alegria. Ambas são importantes, mas há uma alegria superior, cuja fonte está em Deus.
- Leiam: “Resta, irmãos meus, que vos regozijeis no Senhor.” (Fp 3.1).
Por Sulamita Macedo.
Dinâmica: Sai, Olho Gordo!
Objetivo: Introduzir o tema sobre a inveja.
Material: 01 figura de 01 olho em tamanho grande.
Procedimento:
- Coloquem no quadro ou cartolina uma figura de um olho em tamanho grande.
- Depois, escrevam a expressão: Sai, Olho Gordo!
- Perguntem: Esta figura nos remete a que?
Aguardem as respostas. Espera-se que os alunos falem acerca da inveja e que a expressão significa pessoa que tem inveja do outro.
- Depois, distribuam entre os alunos os seguintes ditados populares:
“A inveja é a irmã gêmea do ódio”.
“O invejoso emagrece de ver a gordura alheia”.
“A inveja mata”.
“A tua inveja é a minha felicidade”.
“A mais famosa face da inveja é a maledicência”.
“A inveja é como um sapo, tem olhos grandes e vive sempre na lama”.
- Analisem conjuntamente estes ditados populares, procurando formular uma definição sobre inveja.
Observem atentamente o que os alunos falam e em seguida, se necessário, apresentem o significado do dicionário.
“Sentimento de cobiça à vista da felicidade, da superioridade de outrem: ter inveja de alguém. Tristeza ou desgosto pela prosperidade ou fortuna alheia. Desejo excessivo de possuir exclusivamente o bem de outrem” (Dicionário Web).
- Agora, trabalhem o conteúdo proposto na lição.
Por Sulamita Macedo.
Texto Pedagógico
Adequação da Linguagem na EBD

            Adequação da linguagem é a habilidade que o usuário da língua se apropria para adaptar a fala de acordo com o contexto, o local, o assunto e o tipo de ouvinte.
O cuidado com a compreensão daquilo que é transmitido é um ponto importante para que a comunicação na Escola Bíblica Dominical aconteça de forma satisfatória.
Na classe da EBD há uma diversidade enorme entre os alunos quanto à formação escolar, podendo ter um analfabeto, outro que lê com dificuldade e outros que tiveram oportunidade de progredir nos estudos, chegando até ao curso superior ou de pós-graduação. Diante dessa situação, o professor deve utilizar uma linguagem que seja compreensiva a todos os alunos.

Na Bíblia, encontramos exemplos de alguns personagens, que ao serem chamados para uma função, tiveram a preocupação quando a forma de se comunicar. Vejamos:
“Então disse Moisés ao Senhor: Ah, meu Senhor! eu não sou homem eloquente, nem de ontem nem de anteontem, nem ainda desde que tens falado ao teu servo; porque sou pesado de boca e pesado de língua”(Êxodo 4:10).
“Então disse eu: Ah, Senhor DEUS! Eis que não sei falar; porque ainda sou um menino”(Jeremias 1:6).
Moisés e Jeremias ao serem chamados para o ministério, um como líder e o outro como profeta, revelaram cuidado quanto à comunicação. O professor de EBD também deve apresentar esse cuidado ao transmitir o conteúdo da lição para seus alunos.
            É recomendável que o professor ao ensinar utilize vocabulário simples. Ao expressar alguma palavra menos usual, imediatamente fale outra mais comum de mesmo significado para que todos entendam a mensagem que está sendo transmitida.
            Caso o professor não considere importante fazer a adequação da linguagem, a comunicação não vai ocorrer de forma satisfatória, pois haverá elementos não conhecidos ou não entendidos na fala do transmissor(o professor) que vão afetar o entendimento do que está sendo falado. Os alunos não vão ter tempo para consultar o dicionário e buscar o significado das palavras menos conhecidas utilizadas pelo professor, então cabe ao docente adequar sua linguagem para que todos compreendam.
            Nas lições bíblicas e no texto bíblico aparecem algumas palavras pouco conhecidas e por se tratar de um estudo previamente escrito, os significados dessas palavras devem explanados para a classe para que haja melhor entendimento do assunto.
O ideal é utilizar vocabulário que comunique, isto é, adaptar a fala ao tipo de ouvinte e a situação. O apóstolo Paulo nos dá um exemplo de adequação situacional quanto a sua forma de atuação:
“E fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei, como se estivesse debaixo da lei, para ganhar os que estão debaixo da lei. Para os que estão sem lei, como se estivesse sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para ganhar os que estão sem lei. Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns”(1 Coríntios 9:20-22).
O professor da EBD tem como exemplo o apóstolo Paulo que para salvar alguns se adequou a uma situação já descrita acima. E os professores que através do ensino estão formando Cristo na vida de seus alunos, o que podem e devem fazer?
Observem o exemplo do apóstolo Paulo ao apresentar a pregação da mensagem salvífica para os coríntios:
“E eu, irmãos, quando fui ter convosco, anunciando-vos o testemunho de Deus, não fui com sublimidade de palavras ou de sabedoria. Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado. E eu estive convosco em fraqueza, e em temor, e em grande tremor. E a minha palavra, e a minha pregação, não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito e de poder; para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus”(1 Coríntios 2:1-5 – grifo nosso).
Adequar a linguagem para a situação comunicativa de sala de aula é uma atitude sábia por parte do professor da Escola Bíblica Dominical.


Por Sulamita Macedo.