Bem Vindo!

Seja bem vindo(a) ao blog oficial da Escola Bíblica Dominical da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Curitiba. Sua participação e interação através deste blog é muito importante para o nosso trabalho. Deus abençoe!

Escola Bíblica Dominical

Escola Bíblica Dominical
Coordenador Geral Ev. Jorge Augusto

Fotos 19º SEMINÁRIO

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Subsídio Lição 8 - Uma aliança superior

PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2018

Adultos - A supremacia de Cristo: Fé, esperança e ânimo na Carta aos Hebreus

COMENTARISTA: JOSÉ GONÇALVES


COMENTÁRIO: EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO

ESBOÇO Nº 8
LIÇÃO Nº 8 – UMA ALIANÇA SUPERIOR
A nova aliança no sangue de Cristo é superior à aliança estabelecida no monte Sinai.

INTRODUÇÃO
- Na sequência do estudo da Carta aos Hebreus, analisaremos o capítulo 8.
- A aliança no sangue de Cristo é superior à aliança estabelecida no monte Sinai.

I – A ALIANÇA FIRMADA NO MONTE SINAI
- Na sequência do estudo da Carta aos Hebreus, analisaremos o capítulo 8, ocasião em que o autor procura mostrar que o pacto firmado por Cristo Jesus, a aliança estribada no sangue de Cristo é superior à aliança firmada no monte Sinai, a lei de Moisés.
- Antes, porém, de estudarmos a argumentação trazida pelo escritor, faz-se preciso rememorar quando e em que circunstâncias se firmou o pacto, a aliança entre Deus e Israel no monte Sinai.
- Depois que a comunidade única pós-diluviana, sob o comando de Ninrode, rebelou-se contra Deus no episódio da torre de Babel (Gn.11:1-9), fez-se necessário que o Senhor criasse uma nova nação, de onde pudesse vir o Salvador, já que todas as demais, surgidas da confusão das línguas, haviam escolhido viver em rebeldia contra Deus.
- Por isso, chamou Abrão em Ur dos caldeus e lhe prometeu fazer uma grande nação, na qual seriam benditas todas as famílias da Terra (Gn.12:1-3). Esta nação efetivamente foi uma obra divina, já que, a começar do próprio Abrão, era impossível que ele tivesse filhos, diante da esterilidade de Sarai, sua mulher (Gn.11:30), o que se repetiu, depois, com seu filho Isaque, cuja mulher, Rebeca, também era estéril (Gn.25:21).] e, em parte, com Jacó, já que uma de suas mulheres, Raquel, estéril também era (Gn.29:31).
- Depois que esta nação foi formada, após ter passado 215 anos no Egito, onde se multiplicou grandemente (Ex.1:6,7), o Senhor tirou-o de lá, pelas mãos de Moisés, que tinha a missão de levar toda aquela população até o monte Sinai (também chamado de Horebe), onde, aliás, tinha o Senhor chamado a Moisés (Ex.3:12), pois ali eles serviriam a Deus.
- Note-se, portanto, que Deus havia escolhido Israel para servi-l’O e este era o objetivo da sua libertação do Egito. Ao chegar ao monte Sinai, cinquenta dias após a Páscoa, o Senhor faz uma proposta aos israelitas para que eles fossem Sua propriedade peculiar dentre todos os povos, Seu reino sacerdotal e povo santo (Ex.19:5,6).
- O Senhor, então, propõe uma aliança, um pacto com os israelitas e eles, prontamente, aceitam se tornar o povo de Deus (Ex.19:8). Diante da aceitação da oferta divina, o Senhor mandou que o povo se santificasse por três dias, pois Ele

Para continuar lendo este artigo baixe o anexo no link abaixo.







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça sua pergunta.